terça-feira, 3 de novembro de 2009

A MORTE EM MINHAS MÃOS: O PRIMEIRO FILME DE KUNG FU!


Até os anos 70, quando se falava em filmes de kung fu, o gênero oficial era o que denominamos hoje de wuxia, histórias passadas em um mundo à parte, em que espadachins lutavam entre si e, não raro, até voavam! As lutas de espadas eram coreografadas como uma dança, tendo como a maior referência o filme O Grande Mestre Beberrão (1966), de King Hu. Um dos grandes astros de artes marciais daquela época (leia-se, dos estúdios Shaw Brothers) era Jimmy Wang Yu (creditado muitas vezes apenas como Wang Yu), que fez grandes clássicos, como Temple of the Red Lotus (1965) One-Armed Swordsman (1967) e Golden Swallow (1968). Ele foi o antecessor de Bruce Lee, cujo legado dominaria a década seguinte. Em 1970, Wang Yu estrelou e dirigiu o que é considerado o primeiro filme de kung fu como o conhecemos hoje, A Morte em Minhas Mãos (The Chinese Boxer).

Wang Yu é Lei Ming, criado desde criança pelo mestre de uma escola de kung fu. Logo no início, a escola é desafiada, mostrando um dos temas favoritos de Wang Yu (e, consequentemente, de quase todos os filmes do gênero posteriores), a rivalidade entre chineses e japoneses. Um mestre japonês de judô (Chao Hsiung), derrota vários alunos da escola, até que o mestre aparece e o derrota. Sedento por uma revanche, o japonês promete voltar com um grupo de karatecas. O mestre fica preocupado, dizendo aos alunos o quão perigoso é o karatê, e explica que a únca forma de derrotá-lo é unindo duas técnicas de kung fu, a palma de ferro e o salto iluminado. Logo o grupo de karatecas aparece, liderados pelo perigoso Kita (o grande Lo Lieh, um dos vilões mais requisitados da Shaw), que mata o mestre e quase todos os alunos, com exceção de Lei Ming, é claro. Com a ajuda de Siu Ling, a filha do mestre e sua noiva, ele se recupera e treina as técnicas mencionadas pelo mestre, planejando se vingar. Mascarado, ele sabota os cassinos dos vilões, e derrota seus cobradores de dívidas. Não demora para ele enfrentar os japoneses, incluindo lutadores de kendô, o mestre de judô e claro, o vilão Kita no clímax do filme.

A Morte em Minhas Mãos apresentou várias características que se tornariam padrão no gênero, como a trama de vingança, os japoneses como vilões, lutas demoradas e contra vários oponentes (ainda um pouco lentas aqui), saltos impossíveis, e principalmente o treinamento, sempre rápido e filmado de maneira simples mas que possibilita ao herói derrotar todos os vilões! Enfim, um clássico, devidamente lançado há alguns anos pela China Vídeo com a qualidade que merece (remasterizado, widescreen e com extras)!

Um comentário:

  1. Sensei Onari, saudações. Gostaria de saber se é possível conseguir uma cópia do filme A Morte Em minhas Mãos, que contribuiu em muito para que, em minha juventude, eu adotasse o Karate como um caminho não só esportivo, mas também filosófico. Aficcionado que sou do Cinema, tenho muitos filmes raros e que podem lhe interessar.
    Meu nome é Henry Marinho e meu email é eu.hm@hotmail.com.
    Obs. Através de meu tio, convivi e conheci pessoalmente com a lenda do Jiu Jitsu, o Grão Mestre Helio Gracie, como também, Carlson Gracie, grande percursor da luta livre no Brasil.

    ResponderExcluir